Compartilhe:

Testes rápidos ajudam no monitoramento de casos de sífilis

A principal via de transmissão é através do contato sexual, mas pode ocorrer da mãe para o feto durante a gravidez ou no momento do nascimento
 / Fotos: Arquivo/Decom Texto: Milena dos Santos – SC 04205 JP

Nos últimos anos, os casos de sífilis cresceram no Brasil. Em Criciúma, não tem sido diferente. Esse panorama foi detectado pela Secretaria Municipal de Saúde, por meio do Programa de Atenção Municipal as DST/HIV/AIDS (PAMDHA), que para facilitar o acesso ao diagnóstico, disponibiliza à população, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), testes rápidos para a triagem de sífilis, possibilitando um tratamento adequado.

De acordo com a coordenadora do PAMDHA, Sheila Fernanda Madeira, a sífilis é uma doença que pode passar despercebida por muitos anos nas pessoas adultas e causar problemas sérios em bebês em formação. “Muitos casos de sífilis surgiram de 2014 para cá, o que tem deixado a Secretaria de Saúde em alerta. A informação está em todo lugar, mas falta conscientização. Estamos trabalhando muito para que haja uma redução expressiva nos casos. Hoje está mais fácil a detecção, basta que as pessoas se submetam aos testes e aos tratamentos que estão disponíveis nos postos de saúde”, comenta.

Os moradores devem ficar atentos aos sintomas da sífilis para buscar ajuda médica. Na primeira fase, aparecem feridas abertas no local da infecção (normalmente boca e órgãos genitais). As lesões não sangram, não causam dor e, por isso, muitos doentes não se dão conta da gravidade. Na segunda fase, surgem erupções cutâneas, que duram algumas semanas, nas palmas das mãos e nos pés. Durante este período é comum apresentar febre, perda de apetite, aftas, cansaço, entre outros sintomas. Depois chega a fase terciária da doença, onde aparecem maiores problemas, que afetam cérebro e o coração, e podem levar à morte.

Conforme a secretária municipal de Saúde, Francielle Lazzarin Gava, a sífilis, assim como o HIV, é uma doença de notificação compulsória. “Sempre que uma pessoa fizer o teste, independentemente de ser em laboratórios particular ou público, e der positivo, o caso deve ser imediatamente relatado ao PAMDHA, para que seja feito o registro. Tudo o que é cadastrado fica em sigilo, aos cuidados de uma enfermeira. Mas o importante mesmo é a prevenção, que só é feita através do uso de preservativo, ou do tratamento correto e completo, pois interrompe a cadeia de transmissão”, destaca.

Confira os dados da sífilis em Criciúma (em anexo).

< Voltar