Compartilhe:

Profissionais dos CRAS participam de capacitação da Proteção Social Básica

Encontro tratou sobre políticas sociais e contou com a participação do prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro
 / Fotos: Milena dos Santos Texto: *Milena dos Santos
Pensando em fortalecer os serviços realizados nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e ampliar os conhecimentos das equipes do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), do Programa de Atenção Integral à Família (PAIF) e do Programa Mudando o Rumo, a Associação Feminina de Assistência Social de Criciúma (Afasc), juntamente com a Secretaria Municipal de Assistência Social, realizaram nesta quinta-feira (16), a 1ª Capacitação Interna da Proteção Social de 2017.
 
O encontro que tratou sobre políticas sociais, contou com a participação do prefeito Clésio Salvaro, da presidente da Afasc Adriana Salvaro e do secretário de Assistência Social, Paulo César Bitencourt. A capacitação foi conduzida pela coordenadora do CRAS Tereza Cristina, Patrícia Marques Vedana.
 
Segundo o prefeito, a ação faz parte do processo de capacitação dos colaboradores mediante o papel da política de assistência social. “O governo geralmente é feito a cada quatro anos, e nós temos que nos adequar ao que as Leis exigem. Assim como outros gestores que por essa cidade passaram, vamos fazer de tudo para melhorar os serviços prestados. Sabemos que nem todas as famílias são exatamente como as nossas, com educação vindas de pai e mãe, mas nós temos que fazer a nossa parte, e mostrar pra essas crianças e adolescentes, pra essas famílias que recebem atendimento, que eles podem sim encontrar um caminho melhor. Precisamos atender bem as pessoas, independente do bairro de onde ela vem”, comenta Salvaro.
 
A Proteção Social Básica oferece um conjunto de serviços, programas, projetos e benefícios da assistência social que visa prevenir situações de vulnerabilidade e risco social por meio do desenvolvimento de potencialidades e fortalecimento de vínculos familiares e comunitários, sendo que boa parte destes serviços, são ofertados dentro das CRAS.
 
Para a presidente da Afasc, Adriana, como os serviços prestados tem como objetivo proporcionar uma atenção preventiva, protetiva e proativa ao usuário da política, é necessário que os profissionais estejam preparados para atuar nos seus postos de trabalho. “Muitas pessoas que atuam dentro das CRAS, ainda não conhecem como funciona a política nacional de assistência social, já que ela é um pouco recente. A cada ano essa política passa por um processo de aperfeiçoamento, para sua qualificação. Por conta disto, novos desafios têm surgido no cotidiano, que exige que nossos profissionais passem constantemente pelo processo de formação continuada”, ressalta.
 
Conforme o secretário de Assistência Social, muitos dos técnicos eu estão atuando são novos nos postos de trabalho, por isso necessitam passar por essa capacitação. “Esse é um ganho para as comunidades, para as famílias que utilizam os serviços dos CRAS. Estamos preparando os profissionais para que possam prestar um atendimento de qualidade. É importante que todos os profissionais, independente de serem do Serviço de Convivência ou do PAIF, tenham o mesmo entendimento sobre a Proteção Social. Todos nós que estamos iniciando nesse trabalho precisamos de orientações, sendo este um princípio básico para trabalhar”, declara Bitencourt.
 
Novas capacitações serão realizadas
 
Aproximadamente 90 profissionais dos três serviços prestados dentro dos GRAS Tereza Cristina, Santa Luzia, Vila Miguel, Cristo Redentor, Renascer e Próspera, e do Centro de Convivência Vida Nova, deixaram suas atividades na manhã desta quinta para participar da capacitação, onde foi definido que novas datas serão agendadas para troca de experiências.
 
De acordo com a coordenadora do SCFV, Maria Lauridia da Silva, além de conhecerem um pouco mais sobre os a Proteção Social, os profissionais conhecerem um pouco melhor cada um dos serviços prestados, para que a população seja atendida da forma correta. “Entendemos que todos os colaboradores, independente de função que exerça dentro do Centro de Referência, deve participar ativamente das formações, pois será a partir da elucidação dos processos de trabalho, que será possível alcançar o objetivo de todos os profissionais, que é prestar um serviço de qualidade aos seus usuários”, concluí a coordenadora.
 
*Milena dos Santos é jornalista e atua na Associação Feminina de Assistência Social de Criciúma (Afasc).
< Voltar